Selvvva do dia: aglaonema / Aglaonema spp

De encher os olhos. Cada folha da nossa selvvva do dia vai te surpreender com essas estampas exuberantes criadas pela natureza, prontas para encher de vida os cantinhos dentro de casa.

Rosa, laranja, vermelho, branco, prata e verde. O colorido se revela nas mais de 50 espécies de aglaonema, planta tropical nativa das florestas asiáticas.

Algumas variações fizeram dela uma das favoritas no Pinterest. Entre elas, aglaonema-red, aglaonema-lawan e aglaonema café-de-salão, que conquistaram espaço com sua beleza e pouca exigência nos cuidados.

A intensidade das cores depende das condições de luz da sua selvvva. Dê a essa moradora um ambiente mais iluminado, perto da janela, para manter os tons vivos na folhagem.

Verde é sinal de clorofila. Quanto maior a presença dele nas folhas, maior é a quantidade desse grupo de pigmentos em toda superfície, prontos para captar com facilidade a luz usada na fotossíntese. Já para as mais coloridas, este é um trabalho intenso, que exige mais iluminação para compensar a carência da tonalidade. Por isso, na hora de escolher onde a sua aglaonema vai morar, fique de olho: as espécies com predominância de verde suportam lugares menos iluminados, como os ambientes de luz difusa, enquanto as coloridas necessitam dos cantinhos à meia-sombra.

Lado a lado com outros membros da família das Araceaes, entre eles costela-de-adão e guaimbê, possui a fama de ser tóxica. (Confira aqui nossa matéria especial sobre esse assunto) Mas, bastam a observação e o cuidado para um convívio harmônico. Afinal, assim como a maioria das espécies ornamentais, ela não é comestível e, portanto, não deve ser ingerida.

Disponível em diferentes portes, essa moradora é frequentemente confundida com a comigo-niguém-pode, sua prima mais conhecida. Coloque-as lado a lado e logo você vai notar as folhas mais longas e esticadas das aglaonemas.

Para multiplicar essa exuberância, faça mudinhas por estaquia: corte a haste antes do ponto de encontro que dá origem às novas folhas. Coloque o ramo na água e aguarde as raízes crescerem para levar a sua nova companheira para a terra. Você também pode fazer a divisão das touceiras: separe os brotos que estiverem por aí e plante-os em um novo pote. (temos conteúdo que pode te ajudar)

Rega: de 2 a 3 vezes por semana. Espécie tropical, ela gosta de umidade: nas folhas, que vão se alegrar com algumas borrifadas de água, e no solo, que não precisa estar seco para a próxima rega. Fique de olho apenas para não deixá-la encharcada.

Iluminação: meia-sombra ou luz difusa.

Problemas comuns:  fique atento aos sinais que a sua planta te dá. Folhas apontando para baixo podem indicar que está faltando água por aí. Folhas amareladas contam que você pesou a mão na rega. Folhas com as pontinhas queimadas são sinal de que o tempo mais seco está castigando a sua moradora. Lembre-se de borrifar água em toda a extensão da planta.

Grande e larga, a folhagem costuma acumular pó. Use um pano umedecido para limpá-la e favorecer as trocas gasosas.  

Tons desbotados na folhagem como um todo demonstram que a iluminação não está sendo suficiente. Mude a sua planta para uma área mais próxima da janela. 

As aglaonemas se desenvolvem e ficam altas. Ofereça a elas o apoio de um pedaço de madeira, para evitar que acabem tombando. Esse suporte é importante especialmente para as mais coloridas, que possuem raízes menos profundas e de crescimento mais lento.

A falta de nutrientes e o excesso de umidade podem deixar sua planta vulnerável às pragas. Se esses invasores já estão por aí, utilize fungicida para combater os ácaros, e inseticida para as cochonilhas.

Como usar: em cachepôs de portes variados.

Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está acondicionada e espécie. As indicações acima são orientações para um primeiro contato com a sua planta, mas não uma fórmula definitiva. Preste atenção às respostas da sua espécie; assim você poderá dosar a água de acordo com as condições da sua planta. É importante não exagerar no volume de água!