Em 1958, a arquiteta italiana Lina Bo Bardi (1914-1992) apresentou em Salvador a conferência “Arquitetura e Natureza ou Natureza e Arquitetura”. Este título dá pistas de que Lina tinha a preocupação de integrar suas construções à paisagem, em uma busca pela poesia integral dos espaços. Construída poucos anos antes, em 1951, para servir de morada para ela e Pietro Bardi, seu marido, a Casa de Vidro é um dos mais belos exemplos de comunhão entre arquitetura e natureza.

Lina prezava muito a flora original do terreno. Em vez de derrubar a árvore já existente, escolheu construir a casa ao redor dela, integrando-a totalmente ao projeto arquitetônico.

As janelas da sala se abrem completamente do chão ao teto, permitindo uma grande integração com o exterior.

Para acompanhar a construção, a arquiteta escolheu árvores de tronco ereto, de modo que sua posição se harmonizasse com os pilotis usados para sustentar a casa.

Planta-alumínio e comigo-ninguém-pode.

Considerado um dos projetos pioneiros do modernismo no Brasil, a casa apóia-se sobre pilotis em meio a um jardim tropical. Como a fachada é de vidro, a partir da sala e de outros ambientes é possível avistar espécies botânicas como diversos tipos de Palmeiras, Filodendros, Dracenas, Bromélias e Orquídeas.

A construção parece flutuar sobre o jardim do entorno, que foi planejado e executado pela própria Lina. A vegetação, ainda rasteira na década de 50, foi se transformando em uma floresta particular ao longo do tempo. Então a arquiteta projetou também sinuosos muros de arrimo e caminhos demarcados com pedras e cacos de cerâmica: assim, tanto os moradores quanto os visitantes poderiam atravessar a área verde e contemplar a variedade da flora, que se espalha pelo terreno de 7 mil metros quadrados.

Há uma equipe trabalhando no Instituto Bardi para catalogar as espécies presentes no jardim.

Filodendro-ondulado; maranta-cinza; singônio; maranta-pavão.

As escadas e os muros de contenção foram construídos posteriormente, para que os moradores e os visitantes pudessem apreciar as plantas à medida que fossem crescendo.

Aberta à visitação do público desde 2015 (desde que na companhia de um monitor), A Casa de Vidro é um passeio botânico e tanto, além de uma chance de conhecer um projeto arquitetônico único integrado à natureza.

Para se programar, visite: institutobardi.com.br