Em formato de coração, um clássico que está ganhando a jovem geração de apaixonados por plantas, com seus tons exóticos. Do vermelho ao preto, essa #selvvvadodia surpreende dentro ou fora de casa, em portes variados que requerem pouco espaço para cultivo.

Originária da Colômbia, essa planta carrega curiosidades e polêmicas. Algumas delas relacionadas às suas flores, ou pelo menos ao que costumamos chamar de flor. Isso porque essas estruturas de cores intensas são na verdade folhas que se modificaram ao longo da evolução, conhecidas como brácteas. Afinal, na natureza todo esforço é válido para garantir a preservação da espécie, atraindo os polinizadores até as verdadeiras flores. No caso do antúrio, os pontinhos localizados na haste amarela.

Associada à sensualidade, a planta que já foi tema de novela no passado e se tornou a “flor do Jorge Tadeu” tem seus segredos. Lado a lado com outros membros da família das Araceaes, entre eles comigo-ninguém-pode e costela-de-adão, possui a fama de ser tóxica. (Confira aqui nossa matéria especial sobre esse assunto) Tudo por conta da presença do oxalato de cálcio, substância que causa irritação quando em contato com as mucosas. Mas, basta a observação e o cuidado para um convívio harmônico entre antúrio, crianças e pets, como presenciado nas casas das nossas avós. Afinal, assim como a maioria das espécies ornamentais, ela não é comestível e, portanto, não deve ser ingerida.

Confira abaixo outras particularidades e cuidados dessa #selvvvadodia, que faz parte da memória afetiva da maioria.

 

Rega: 2x por semana. Nativa das florestas tropicais, ela adora a umidade do ar e vai ficar feliz se suas folhas forem borrifadas com água. 

Iluminação: meia-sombra ou luz difusa. Em seu habitat natural, gosta da luz filtrada pelas árvores. Por isso, mantenha-a em um lugar claro, sempre protegido do sol direto. Fique atento para que o ambiente seja fresco e com boa ventilação, ao abrigo das correntes de vento.

O antúrio gosta de receber iluminação por inteiro e, para isso, é capaz de verdadeiros malabarismos. Não se assuste com a aparência caída. Está tudo certo se você notar caules abaixados e folhas erguidas à procura de luz.

Para ser presenteado com flores, aposte em 1h diária de sol no início da manhã ou no fim da tarde, sempre antes das 9h ou depois das 16h. Além disso, lembre-se dos nutrientes essenciais, com a adubação a cada três meses.

Outros nomes populares: paleta-de-pintor, flor-verniz, antúrio-de-flor, flor-de-flamingo

Problemas comuns: O excesso de umidade é a grande causa dos problemas do antúrio. Solos nessa condição podem atrair bolor e pragas como cochonilhas. Para evitar, aplique sulfato de cobre, um fertilizante mineral.

Essa trepadeira com raízes aéreas precisa de boa ventilação. Por isso, nunca use somente terra para plantá-la. Drene o solo misturando a ela uma porção de chips de coco, casca de pinus ou estilha de madeira queimada, mistura que ao longo do tempo irá se decompor, oferecendo muitos nutrientes.

Com o passar do tempo, é comum que as raízes do antúrio fiquem expostas, mas não é necessário replantá-lo ou adicionar mais substrato.


Como usar: 
seja pela beleza das flores ou da sua folhagem, essa planta tropical pode ser cultivada em vasos ou utilizada na versão para corte. Ela é uma das favoritas na nossa #selvvvademadeira, nova linha de produtos com cachepôs e vasos.

 


Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está condicionada e o tipo da espécie. As indicações acima devem servir para orientar um primeiro contato, mas não são uma fórmula definitiva. O ideal é prestar atenção às respostas da sua planta; assim você poderá dosar a água de acordo com as condições em que a espécie se encontra. É importante não exagerar no volume de água a cada rega! Prefira aumentar a frequência das regas ao invés de aumentar a quantidade de água.