Você já viu essa selvvva do dia por aí. Queridinha das paredes verticais, ela empresta volume e textura aos lugares onde outras dificilmente sobreviveriam.

Capaz de resistir ao sol pleno, essa planta carrega um segredo: seus caules do tipo rizoma guardam debaixo da terra, nas estruturas parecidas com pequenas batatas, a reserva de água e nutrientes para os períodos de escassez, um recurso semelhante ao usado por outra guerreira, a zamioculca.  

Suportar os lugares mais quentes, como os próximos às vidraças que recebem a luz intensa durante o dia, não é o único mérito dessa espécie. Versátil, o aspargo pode se comportar como arbusto, cobrindo paredes e muros, ou como planta pendente, descendo a cabeleira.

Para multiplicar essa exuberância e fazer mudinhas, basta colocar um caule com a “batatinha” na água e esperar as raízes apontarem. De tempos em tempos, você também pode ser presenteado com as flores brancas, prontas para despertar os pequenos frutos vermelhos quando polinizadas.

Rega: 2x por semana, à meia-sombra, ou 3x por semana sob sol pleno. O solo mais pobre em nutrientes é o ideal para o seu aspargo. Por isso, dê a ele a mistura de terra e areia. Essa planta também gosta da umidade do ar e vai adorar algumas borrifadas de água durante os dias mais secos. Confira nosso guia especial sobre rega. 

Iluminação: meia-sombra ou sol pleno. Confira nosso guia especial sobre iluminação. 

Outros nomes populares: aspargo rabo-de-gato

Problemas comuns: Poucos problemas são capazes de derrubar essa guerreira. Embora ela tenha a capacidade de guardar recursos para os momentos de escassez, não é raro que a falta de água acabe levando suas folhas a amarelar e cair, deixando os caules completamente vazios.

Especialmente quando seu aspargo ainda for uma mudinha, fique de olho na rega e coloque água 2x por semana (à meia-sombra) ou 3x por semana (sob sol pleno). À medida que ele se torna uma planta adulta e consegue garantir as reservas, você pode reduzir as quantidades: 1x por semana (à meia-sombra) ou 2x por semana (sob sol pleno). 

Durante os cuidados com a sua planta, fique atento e proteja os olhos. As folhas finas e flexíveis podem incomodar como pequenos espinhos ou causar leve coceira na pele. 

Como usar: como arbusto, cobrindo paredes e muros, ou como planta pendente, descendo a cabeleira na sua selvvva.

Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está acondicionada e espécie. As indicações acima são orientações para um primeiro contato com a sua planta, mas não uma fórmula definitiva. Preste atenção às respostas da sua espécie; assim você poderá dosar a água de acordo com as condições da sua planta. É importante não exagerar no volume de água!