Uma suculenta delicada como uma joia, como o próprio nome popular já diz. Os primeiros vestígios dessa espécie foram encontrados em regiões áridas do sul da África, o que explica o formato esférico das folhas, um recurso da natureza para a planta armazenar água em períodos de estiagem. Seu grande charme são os ramos muito finos e pendentes repletos de bolinhas, além de pequenas flores brancas que surgem de tempos em tempos.

Rega: Diferentemente da maioria das suculentas, a colar-de-pérolas necessita de rega com uma certa frequência: mantenha o solo úmido, sem encharcar! Quando em ambientes bem ventilados, vale borrifá-la semanalmente com água. Fique atento à drenagem do solo, para reduzir o risco de proliferação de fungos e apodrecimento da planta e suas raízes. Dê uma olhada na nossa matéria guia básico para plantar - sozinho - em vasos, para aprender mais sobre a drenagem.

Iluminação:  Gosta de bastante luz, mas não dos raios solares intensos do verão. Nas épocas mais quentes, o ideal é que tome apenas o sol da manhã.

Problema Comum: As bolinhas também podem apodrecer com facilidade quando o solo não estiver bem drenado ou quando o ambiente estiver abafado e úmido. Preste atenção na ventilação e na drenagem do solo.

Outros nomes populares: Rosário; pérola-verde.


Como usar: 
Para aproveitar todo o charme das esferas pendentes, vale colocar vasos e cachepôs apoiados em prateleiras fixadas às paredes ou em suportes mais altos. Confira aqui algumas inspirações criadas pela Selvvva.


Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está acondicionada e o tipo da espécie. As indicações acima são orientações para um primeiro contato, mas não uma fórmula definitiva. Preste atenção às respostas e condições da sua espécie. É importante não exagerar na quantidade de água! Prefira aumentar a frequência das regas em vez de aumentar o volume de água colocado.

Fotos: Dani Neves