Originária da Colômbia e Costa Rica, a nossa Planta do Dia é rodeada de mitos. Seu nome popular já diz muito sobre ela. Muitos afirmam que é porque afasta o mau-olhado e absorve as energias negativas. Mas há também quem diga que é por ser venenosa e até matar. O que é verdade e o que é lenda quando o assunto é a comigo-ninguém-pode?

 

Por possuir em toda a sua estrutura um composto químico que produz cristais em forma de agulha, o oxalato de cálcio, essa espécie é realmente tóxica se em contato com os olhos ou com a boca, pois perfura a mucosa e causa forte irritação. Isso não quer dizer que você não possa podar o seu exemplar ou recolher folhas secas caídas no chão. Cortes e fissuras na planta também não exalam veneno. É só evitar o contato direto com seu látex – a secreção esbranquiçada que ela produz – e basicamente se lembrar que, assim como a maioria das espécies ornamentais, ela também não é uma planta comestível e, portanto, não deve ser ingerida.

Apesar de todo o mistério que ronda a comigo-ninguém-pode, essa é uma espécie linda que pode conviver em harmonia no mesmo espaço que você (falamos mais sobre o assunto aqui) e deixar o local ainda mais vibrante com seus diversos padrões de grafismo e tons de verde. Assim como a espada-de-são-jorge, é também muito utilizada como um amuleto do ambiente, pois acredita-se que afasta as energias ruins e mantém um clima de paz.


Rega:
recomenda-se regas regulares para manter o solo úmido, sem encharcar. Duas vezes na semana devem bastar.

Iluminação: adapta-se bem à meia-sombra ou luz difusa, sendo uma ótima planta para se ter dentro de casa. 

Problemas comuns: por ser uma espécie tropical, acaba sofrendo muito com os efeitos do inverno e pode perder suas folhas na estação mais fria do ano.

Outros nomes populares:  Difembáquia; aningapara

Como usar: como ela pode atingir grande porte, observe seu desenvolvimento. Assim você garante que sua comigo-ninguém-pode tenha espaço suficiente, tanto vertical quanto horizontal, para crescer com todo o potencial. Tenha isso em mente também ao escolher um vaso. Experimente colocá-lo no chão ou em suportes abaixo da linha do olhar. Seus grafismos e cores são um brilho para os olhos quando vistos de cima ou de frente.



Dica da Selvvva: As indicações acima são orientações para um primeiro contato com a sua planta, não uma fórmula definitiva. As regas variam de acordo com o ambiente, a disponibilidade de luz, a umidade do ar, a temperatura, o recipiente onde a planta está acondicionada e as demandas específicas da espécie. O importante é sempre prestar atenção às respostas da sua planta e, assim, dosar a água de acordo com as condições em que se encontra. Preste sempre atenção para não deixar o solo encharcado ou água acumulada no fundo do vaso, evitando o apodrecimento das raízes.