Seu nome já carrega um misticismo ancestral. Além de decorar, é usada em muitas casas como protetor espiritual: há quem diga que ela é capaz de cortar energias negativas e ainda espantar os maus espíritos. A arma utilizada por São Jorge durante sua batalha contra o dragão dá o nome à nossa planta do dia: a espada-de-são-jorge. Mas nem só de simbolismos vive essa espécie. Segundo pesquisa da Nasa, ela também tem capacidade de absorver substâncias químicas liberadas por madeiras, tecidos sintéticos e carpetes, além de purificar o ar contaminado por determinados gases e poluentes.


Rega:
 é uma espécie que suporta bem os períodos de estiagem. Prefira pecar pela falta e não pelo excesso de água. Em geral, a rega uma vez por semana é suficiente.

Iluminação: fácil de agradar, é uma espécie que se adapta tanto em luz difusa quanto em sol direto. A diferença está no crescimento: quanto mais sol, mais rápido ela vai se desenvolver.


Outros nomes populares: 
 espada-de-ogum; espada-de-iansã e espada-de-santa-bárbara (quando tem coloração verde com bordas amarelas); língua-de-sogra; rabo-de-lagarto; sanseviéria

Problemas comuns: como absorve bastante água e tem uma raiz fasciculada – ou seja, formada por vários eixos que se espalham por toda a extensão do recipiente onde se encontra plantada ela consegue quebrar vasos de diferentes materiais, do barro ao cimento, e até canteiros. Recomendamos a substituição do vaso por um maior, assim que as raízes preencherem todo o espaço do recipiente. Aproveite a ocasião para fazer mudinhas e dar de presente para alguém.

Como usar: pode ser encontrada em diferentes tamanhos, de mini até grandes. Seu uso é variado. Por ser uma planta que atinge grande porte, precisa ter seu recipiente trocado de tempos em tempos. Os vasos de cimento são uma ótima opção para todas as fases de crescimento. Na nossa loja física temos vários modelos, em diferentes tamanhos e cores.

Os místicos recomendam posicioná-la perto da porta de entrada da casa, para afastar o mau-olhado.


Dica da Selvvva: As indicações acima são orientações para um primeiro contato com a sua planta, não uma fórmula definitiva. As regas variam de acordo com o ambiente, a disponibilidade de luz, a umidade do ar, a temperatura, o recipiente onde a planta está acondicionada e as demandas específicas da espécie. O importante é sempre prestar atenção às respostas da sua planta e, assim, dosar a água de acordo com as condições em que se encontra. Preste sempre atenção para não deixar o solo encharcado ou água acumulada no fundo do vaso, evitando o apodrecimento das raízes.