Desejo dos apaixonados pelo verde. Se você está acostumado a “pinar” imagens, já deve ter visto a nossa selvvva do dia, uma das favoritas no Pinterest. Tudo por conta desse colorido cheio de vida.

Tanta beleza é esperada pacientemente, o que faz dela uma espécie pouco comercializada por aí. De desenvolvimento lento, essa trepadeira não é daquelas que têm fome de crescer e se espalhar. É como se o filodendro-pink dedicasse sua energia para as estampas. Cada folha que nasce é uma surpresa: rubros, rosados ou mesclados nos dois tons, os desenhos não se repetem.

A predominância de cores depende das condições de luz da sua selvvva. Dê a essa planta um cantinho mais iluminado, perto da janela, para pintar de rosa a folhagem, ou observe o vermelho apontar em ambientes mais escuros.

Lado a lado com outros membros da família das Araceaes, entre eles costela-de-adão e guaimbê, possui a fama de ser tóxica. (Confira aqui nossa matéria especial sobre esse assunto) Mas, bastam a observação e o cuidado para um convívio harmônico. Afinal, assim como a maioria das espécies ornamentais, ela não é comestível e, portanto, não deve ser ingerida. 

Conheça mais segredos dessa exuberância.

Rega: 2x por semana. Mantenha o solo úmido, sem encharcar. Aproveite para fazer do substrato um aliado nessa tarefa: utilize uma mistura de terra e chips de coco ou madeira para plantá-la, assim a água não fica retida e consegue escoar com mais rapidez. Os substratos para orquídeas ou samambaias são ótimas opções. Confira nosso guia especial sobre rega.

Iluminação: meia-sombra. Aposte no sol do início da manhã ou no fim da tarde, sempre antes das 9h ou depois das 16h. Confira nosso guia especial sobre iluminação.

Outros nomes populares: filodendro pink-princess.

Problemas comuns: essa planta dispensa a aplicação do óleo de neem, um repelente natural, para manter afastado parasitas como pulgões e cochonilhas.
Poucos problemas fazem parte do seu dia a dia. Os mais comuns estão ligados à falta de nutrientes. Por isso, ao notar folhas miúdas, que não se desenvolvem, capriche e lembre-se de deixar a adubação em dia.

Observe os sinais que a folhagem te dá. Vez ou outra você pode se surpreender com algumas manchas brancas na parte de baixo desta estrutura, que indicam a presença de fungos. Se eles estão morando por aí, passe chá de pó de fumo com um pedaço de algodão. 

Já pequenos pontos marrons podem ser sinal de intoxicação por cloro. Ao regar, prefira sempre a água filtrada ou a da chuva, que é livre dessa substância. Se o clima seco não contribuir para um pé d’água, use a da torneira, deixando-a descansar por 24h, tempo suficiente para que o cloro evapore.

Para manter o rosa cheio de vida, lembre-se de deixar a sua planta em um cantinho perto da janela. Com o tempo, é normal que as folhas mais velhas fiquem desbotadas.

Folhas apontando para baixo ou levemente enrugadas contam que o seu filodendro está precisando de água. Caules inteiros, que se soltam da terra com uma leve puxada, indicam que você pesou a mão na rega e as raízes estão apodrecendo. Por isso, sempre cheque a umidade do substrato antes de colocar água.

Evite cortar as raízes áreas que crescem no decorrer do desenvolvimento da sua planta. Elas são importantes para a captação de luz e umidade.

Como usar: em suportes mais baixos ou na altura do olhar, compartilhando a exuberância de cada folha.

Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está acondicionada e espécie. As indicações acima são orientações para um primeiro contato com a sua planta, mas não uma fórmula definitiva. Preste atenção às respostas da sua espécie; assim você poderá dosar a água de acordo com as condições da sua planta. É importante não exagerar no volume de água!