Se você tem um terrário, pode contar com a presença dessa #selvvvadodia. Esse mosaico colorido criado pela natureza chama atenção pelas combinações de cor. Espécie rasteira que adora umidade, a fitônia tem raízes pequenas que se fixam rapidamente e se multiplicam com facilidade. Suas folhas miúdas, ovaladas e de textura aveludada ficam lindas em composição com outras plantas, sempre em ambientes de luz difusa e sem a presença de correntes de vento ou ar-condicionado. 


Rega:
 por ser nativa de países tropicais da América do Sul, gosta de crescer onde há calor e intensa umidade do ar. Umidificadores de ar e borrifadas de água podem ajudar. 

O solo precisa estar sempre úmido, nunca encharcado. Procure regar no período da manhã ou no fim da tarde, quando o sol está mais ameno, de duas a três vezes por semana, dosando de acordo com o clima. 

Iluminação: seu habitat na natureza é intensamente claro, mas protegido por grandes árvores e arbustos. Por isso, em casa, evite a exposição ao sol direto - que pode queimar suas folhas - e procure um cantinho de luz difusa, mas com bastante claridade.

Outros nomes populares: planta-mosaico;

Problemas comuns: folhas com aspecto murcho são um possível sinal de falta de água. Longos períodos de estiagem podem fazer com que os estômatos da fitônia, células que realizam trocas gasosas e eliminam água em forma de vapor, se fechem, conferindo a ela uma aparência “desmaiada”. Na maioria dos casos, basta a rega imediata para revigorá-la. 

Antes de colocar água, verifique se o substrato não está encharcado. Se mesmo com muita umidade na terra a planta apresentar aspecto murcho, observe: as raízes podem estar apodrecendo. Nesse caso, deixe a terra secar, certificando-se de que o substrato está fazendo a drenagem corretamente. 


Como usar:
 seu porte pequeno e preferência pelo clima úmido permitem cultivá-la em terrários fechados, os jardins criados dentro de recipientes de vidro. Para esse tipo de cultivo, lembre-se de colocá-la junto a espécies que necessitem de condições semelhantes de iluminação, rega e substrato, como musgos e selaginelas. 

A fitônia também cria um efeito interessante cumprindo o papel de forração em vasos de espécies mais altas, como alocásias ou caladiuns.

Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está condicionada e o tipo da espécie. As indicações acima devem servir para orientar um primeiro contato, mas não são uma fórmula definitiva. O ideal é prestar atenção às respostas da sua planta; assim você poderá dosar a água de acordo com as condições em que a espécie se encontra. É importante não exagerar no volume de água a cada rega! Prefira aumentar a frequência das regas ao invés de aumentar a quantidade de água.