Dona de uma beleza exuberante, a maranta-pavão parece ter suas folhas ovais e alongadas pintadas à mão: as linhas claras transversais destacam-se do verde escuro e formam um desenho semelhante a uma pena. Natural das matas brasileiras, ela atinge um porte de 20 a 40cm e é considerada fácil de cuidar – mas com atenção, sempre! -, além de embelezar sua #selvvvaemcasa. Na chegada da noite, oferece um espetáculo diário, quando suas folhas se movimentam para cima.

Existem outras variações de marantas, como a picturata e a royal, com grafismos tão lindos – e diferentes entre si – que dá até vontade de colecionar.

Rega:  pode variar de 2 a 3 vezes por semana. Confira sempre a terra antes de pôr água. É só colocar o dedo 2cm para dentro a partir da borda do vaso e sentir: se estiver muito úmida, não precisa regar.



Iluminação:  é uma planta que se adapta bem à meia-sombra.

Problemas comuns  o clima muito quente ou seco podem ressecar as bordas das folhas. Para ajudar na hidratação, borrife água direto nas folhas pela manhã e procure deixar a sua maranta em um cantinho fresco.

Outro nome popular:  maranta-pena-de pavão, caleteia-pena, planta-de-pavão ou janelas-de-catedral


Como usar: 
como é uma planta que se mantém em um porte médio, ela pode ser usada em vasos ou cachepôs e colocada em cima da mesa ou sobre suportes baixos. Para contemplar seu desenho delicado na decoração, acomode-a em móveis abaixo do nível do olhar.

Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está acondicionada e o tipo da espécie. As indicações acima são orientações para um primeiro contato, mas não uma fórmula definitiva. Preste atenção às respostas e condições da sua espécie. É importante não exagerar na quantidade de água! Prefira aumentar a frequência das regas em vez de aumentar o volume de água colocado.