Exuberância em folhas que parecem pintadas à mão. Cada traço da nossa #selvvvadodia faz dela uma espécie única. Observe de perto: você não vai achar duas iguais.

Pertencente à família das Marantáceas, ela pode ser encontrada com os nomes ‘Tricolor’ (Stromanthe sanguínea), como era conhecida antigamente, ou ‘Triostar’, uma versão híbrida da brasileira nativa e endêmica da Mata Atlântica, Stromanthe thalia, que surge de forma espontânea nas florestas da Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

Assim como a maranta-pavão (confira a matéria), provoca curiosidade com o movimento das suas folhas: de dia se abre inteira para receber a luz do sol. À noite se fecha para o descanso.

Rega: a rega pode variar de duas a três vezes por semana, conforme o clima. Mantenha a terra irrigada e borrife água nas folhas, especialmente em dias muito secos. 

Iluminação: sua maranta-tricolor vai se adaptar bem em um cantinho dentro de casa, à meia sombra, aproveitando o sol ameno entre as 7h e 9h; no início da tarde, das 17h às 19h; ou onde receba luz difusa. Fique atento: as folhas são delicadas e podem se queimar.

Outros nomes populares: calathea-triostar; maranta-variegada; maranta sanguínea triostar;

Problemas comuns: folhas ressecadas enrolando-se das pontas para dentro podem ser sinal de falta de água. Regue-a, mantendo-a úmida, nunca encharcada.
Se sua planta estiver em um ambiente com as condições de luz recomendadas e apresentar folhas com queimaduras, observe se o ar está excessivamente seco ou se há presença de muito cloro na água. Neste caso, regue-a com água filtrada ou aguarde até que ele evapore. Para isso basta encher um recipiente com água e aguardar 24h. Você também pode aplicar 3 gotinhas de algum produto purificador para aquário (dica do @mi.di.o).
Folhas apontando para baixo podem indicar que a rega ou a luz precisam ser dosadas.


Como usar:
 é cultivada isolada ou em conjunto. Sua densa folhagem pode cobrir rapidamente canteiros e vasos. Em pequenos portes, pode ser usada para enfeitar mesas, estantes e prateleiras. Para que suas cores e detalhes sejam admirados, priorize locais em que ela seja vista por cima.

Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está condicionada e o tipo da espécie. As indicações acima devem servir para orientar um primeiro contato, mas não são uma fórmula definitiva. O ideal é prestar atenção às respostas da sua planta; assim você poderá dosar a água de acordo com as condições em que a espécie se encontra. É importante não exagerar no volume de água a cada rega! Prefira aumentar a frequência das regas ao invés de aumentar a quantidade de água.