Que somos apaixonadas por plantas não é segredo para ninguém. Tanto é que criamos uma marca que nos proporcionou estar cercadas de verde todos os dias. E quando encontramos outras pessoas com este mesmo sentimento, adoramos ficar pertinho e compartilhar experiências. 

Aqui de longe, já admirávamos o trabalho do Igor Josifovic (@igorjosif) e da Judith de Graaff (@joelixjoelix). Juntos, eles combinaram o amor por decoração e plantas, para criar, em 2013, o Urban Jungle Bloggers (@urbanjungleblog), uma comunidade de amantes do verde mundo afora, que hoje reúne mais de 2 mil colaboradores. Em 2016, o projeto virou um livro lindo, o Urban Jungle – Living and Styling with Plants (que você pode comprar aqui), repleto de casas que mais parecem selvas urbanas, além do perfil de 10 plantas populares e uma seção de projetos faça-você-mesmo, para quem quer colocar a mão na massa. “Não é uma enciclopédia, mas um livro para ajudar todo mundo que quer trazer o verde para suas vidas, independentemente de clima e de experiência”, explicam nas primeiras páginas.

Algumas das casas publicadas na rede Urban Jungle Bloggers: plantas no banheiro, na sala, plantas e animais convivendo juntos. Verde por todos os lados! (Créditos: Reprodução Instagram @urbanjungleblog)

Recentemente, a dupla veio ao Brasil – que, depois dos EUA, é o país com maior número de acessos ao Urban Jungle Bloggers – para fazer novas fotos da sua próxima publicação. Eles vieram conhecer a nossa Selvvva pessoalmente e participaram de um bate-papo aqui na loja com outros entusiastas do assunto.

Com a casa cheia e mediados pelos amigos e parceiros Anderson Santos (@anderson_bio) e Lucas Midio (@mi.di.o), realizamos a primeira edição do “Noite Verde”. Falamos sobre conexão, benefícios, cuidados, herança e tendências do mundo verde.

Sorridentes, Igor e Judith, que se conheceram por meio de seus blogs pessoais – Happy Interior Blog e o Joelix, respectivamente – começaram o encontro contando quais foram suas impressões de São Paulo. Na cidade havia pouco mais de uma semana, eles se mostraram encantados com dois pontos que, para nós, muitas vezes passam despercebidos: como a cidade é verde (sim! Cada cantinho por aqui tem uma plantinha nascendo), e como as plantas atingem o tamanho “extra large”, com folhas enormes, se comparadas com as da mesma espécie encontradas na Europa. “A umidade e o clima do Brasil permitem que você tenha plantas em todos os lugares, seja dentro ou fora de casa. Isso é incrível!”, comenta Igor.

Urban Jungle pelo mundo

Viajar para conhecer selvas urbanas em outros países faz parte do projeto. O primeiro livro reuniu casas na Holanda, Inglaterra, Alemanha, França e Turquia. Além desses lugares, o blog conta com colaboradores em outros países na Europa, na Nova Zelândia, nos EUA, na Ásia e na América do Sul. O segundo livro, que tem previsão de ser lançado no primeiro semestre de 2020 e é focado no que as plantas podem fazer por nós, mostrará algumas casas no Brasil. A visita ao país durou 4 semanas e rendeu 5 casas fotografadas. E foi inevitável perguntar: quem cuida das plantas deles enquanto estão fora? Judith, que mora em Paris, divide com o marido a atenção às plantas. Já Igor, que se intercala entre a capital francesa e Munique, na Alemanha, conta com a ajuda de amigos que têm a chave da sua casa: “e o mesmo acontece quando eles viajam”, conta. O próprio blog é um canal de apoio para estas situações, aproximando pessoas que não se conhecem e têm a mesma paixão. Assim, todos podem colaborar, seja atuando como babás das plantas, compartilhando informações e até trocando espécies.

Lucas, além de mediar e traduzir simultaneamente toda a conversa, também compartilhou suas experiências. Ele, que já foi personagem aqui no #estufa, conta que matou plantas, mas entendeu que, muitas vezes, o problema estava no ambiente que tinha em casa e não nos cuidados dedicados. A partir daí, adotou o hábito de doar as espécies que não se adaptaram bem no seu apartamento: “não é porque ela não deu certo na minha casa que não pode dar em outra. Quando eu vejo que elas não estão se dando bem com as condições que tenho de luz, por exemplo, eu ofereço a algum amigo que eu sei que vai cuidar muito bem delas”. E engrossa o caldo: “crie uma comunidade de apoio. Conheça seus vizinhos, seja amigo dos donos das lojas de plantas. Eles podem te ajudar muito”.



O bate-papo, que durou cerca de 1h, reuniu pessoas que compartilham o amor por plantas, a admiração pelo trabalho da dupla e uma questão em comum: ter plantas é só uma tendência ou estamos resgatando um vínculo com a natureza? E como fazer para esse convívio dar certo? E a mensagem que ficou foi unânime: “as pessoas, principalmente em áreas urbanas, não se sentem conectadas com a natureza. E trazer plantas para dentro de casa é uma forma fácil de estar mais perto dela, de fazer parte. Afinal, seres humanos também pertencem à natureza, é de onde viemos. O sucesso da nossa comunidade é justamente porque estas pessoas estão querendo se reconectar. E a relação mudou ao longo dos anos. Antigamente, as pessoas adotavam plantas menores, consideradas fáceis de cuidar, como as suculentas e cactos. Hoje em dia, vemos cada vez mais plantas grandes, com presença, ocupando espaços significativos nas casas das pessoas”.

E para o sucesso dessa relação, a dupla foi bem objetiva: comece pequeno, com uma planta por vez, até entender como funciona a luz da sua casa e o tempo que você tem para dedicar. “Não acreditamos em ‘dedo verde’. Acreditamos que todos têm capacidade de cuidar e viver rodeado de plantas. Basta ter as informações certas. E o livro foi mais um passo em direção a isso. Escolha uma planta não só pela beleza, mas pela possibilidade de se adaptar à sua rotina – não só você se adaptar à dela. Se você matar alguma, tudo bem. Não desista!”, afirmaram e foram complementados por Anderson: “plantas são vivas. E um dos maiores ensinamentos que podemos aprender com elas é ter paciência. Elas têm seu próprio tempo e as pessoas têm medo e não sabem lidar com o processo natural delas, têm pressa. Quando você percebe o quão gratificante é acompanhar o desenvolvimento de uma planta, essa relação muda. O momento de cuidar delas é o momento de cuidar de nós mesmos, de nos desligarmos um pouco desse mundo digital e acelerado, de dar uma pausa”.

Por fim, queremos agradecer ao Igor e à Judith. Este encontro foi uma realização, tanto por reunir pessoas com quem nos identificamos muito, quanto por reforçar algo em que acreditamos. Selvvva e Urban Jungle são contemporâneos. Trilhamos caminhos parecidos no desejo de levar às pessoas o prazer de ter plantas por perto. Inspire-se, informe-se e entre para o time verde com o seu próprio jeito de decorar e viver com plantas. É um caminho sem volta.