De encher os olhos. Resistente às pragas, ao ar-condicionado e aos ambientes menos iluminados, além de absorver substâncias químicas e purificar o ar contaminado por gases e poluentes. Sobram motivos para essa #selvvvadodia estar entre as favoritas dos paisagistas e decoradores de interiores.

Embora seja fácil de cuidar, a Pleomele tem alguns segredos para marcar presença com volume e porte. Se você escolheu esse arbusto para fazer parte da sua selvvva, observe as pistas valiosas que a folhagem, ou a ausência dela, te dá.

Verde é sinal de clorofila. E folhas neste tom são repletas desse grupo de pigmentos em toda a sua superfície, prontos para captar com facilidade a luz usada na fotossíntese. Já para as variegadas este é um trabalho intenso. Mescladas com manchas em amarelo, elas pedem mais iluminação para compensar a carência da tonalidade.

Caules pelados contam sobre os nutrientes do solo, a frequência das regas e requerem medida drástica. Para não precisar recorrer à tesoura como solução, confira abaixo todos os cuidados preventivos.

Rega: entre 2x e 3x por semana. Como outras plantas tropicais, gosta da umidade do ar. Por isso, capriche e borrife água em suas folhas.

Iluminação: meia-sombra. A Pleomele de folhas verdes é capaz de se adaptar ao sol pleno, mas vá devagar. Exponha-a gradativamente, mais e mais a cada semana. Durante esse processo, chamado de rustificação (saiba mais a respeito na nossa matéria especial sobre iluminação), algumas folhas provavelmente vão se queimar, mas persista e logo as novas nascerão adaptadas. 

Para fazer mudas, basta deixar um ramo mergulhado na água e aguardar o nascimento dos brotinhos (foto à direita).

Outros nomes populares: pleomele, pau-d'água, dracena-malaia

Problemas comuns: perder folhas é comum a muitas espécies, como HeraFicus Lyrata. No caso da Pleomele, é normal conforme ela cresce e ganha porte. Mas fique de olho se a folhagem amarelar e cair com intensidade em um curto período de tempo. Essa perda será definitiva e a área que um dia já foi cheia de vida não voltará mais a ter brotos.

Para evitar, fique atento e não espere o solo secar completamente. Regue, mantendo a umidade. Observe também a frequência da adubação, já que a falta de nutrientes do solo é outra possível causa. Mas, se essa matéria chegou até você depois que as folhas já se foram, está tudo bem. Recorra a uma poda drástica, cortando o caule na área em que desejar o verde de volta.


Como usar:
 Plantada em jardineiras ou exuberante em vasos com água, em arranjos tropicais. 

Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está condicionada e o tipo da espécie. As indicações acima devem servir para orientar um primeiro contato, mas não são uma fórmula definitiva. O ideal é prestar atenção às respostas da sua planta; assim você poderá dosar a água de acordo com as condições em que a espécie se encontra. É importante não exagerar no volume de água a cada rega! Prefira aumentar a frequência das regas ao invés de aumentar a quantidade de água.