Com múltiplos caules semelhantes ao bambu, folhas palmadas, plissadas e brilhantes, a ráfia (ou palmeira-ráfis) é tão linda que era utilizada pelos japoneses para decorar o Palácio Imperial. Ereta e entouceirada, ela se adapta bem às mais diversas condições de luz, resistindo à pouca ou muita luminosidade. Multiplica-se por sementes ou divisão das touceiras (contaremos mais em breve).

 

Regaem geral, a rega duas ou três vez por semana é suficiente. Molhe o substrato (que precisa ter um bom sistema de drenagem para não encharcar) por completo para que a planta receba os nutrientes em todos os lados. Vale também passar um pano úmido para tirar a poeira de suas folhas (isso ajuda na captação de nutrientes).

Seu caule é revestido por fibras em toda a extensão. Essa estrutura é uma das responsáveis pela captação de água, por isso, nunca limpe esses “pelinhos”. Vale borrifar água ali também. Só lembrando que a borrifada não elimina a rega. Renovar o adubo mensalmente (aqui na Selvvva recomendamos o Jardim Bonito) ajuda em seu crescimento vigoroso.



Iluminação
adapta-se bem em todos os tipos de luz, podendo ser cultivada tanto sob sol pleno, meia-sombra ou luz difusa. A escolha do local irá interferir nas suas características. A diferença mais visível é a coloração das folhas: quanto maior a incidência de luz no ambiente, mais claro será o seu tom de verde.  

Outros nomes populares
palmeira-rápis; jupati; palmeira-dama; palmeira-ráfia; ráfis; rápis;

Problemas comuns
quando não irrigada o suficiente, as pontas de suas folhas podem acabar se queimando. Nesse caso, aumente as regas e, principalmente, a borrifada nos caules. A tendência é perder folhas no inverno.



Como usar
pode ser cultivada isolada ou em grupos (cada um de seus caules representa uma só planta). Apesar de ter crescimento lento, arbustivo (na vertical), pode chegar a até 4m de altura. Por isso, prefira usá-la em vasos e cachepôs sobre rodízios ou suportes baixos, diretamente no chão e com espaço suficiente para atingir todo o seu potencial.

Dica da Selvvva: As indicações acima são orientações para um primeiro contato com a sua planta, não uma fórmula definitiva. As regas variam de acordo com o ambiente, a disponibilidade de luz, a umidade do ar, a temperatura, o recipiente onde a planta está acondicionada e as demandas específicas da espécie. O importante é sempre prestar atenção às respostas da sua planta e, assim, dosar a água de acordo com as condições em que se encontra. Preste sempre atenção para não deixar o solo encharcado ou água acumulada no fundo do vaso, evitando o apodrecimento das raízes.