Mais uma da família da samambaia, dessa vez vinda da América do Sul: a renda-francesa é uma espécie repleta de memórias afetivas de infância. Quem não se lembra dela na casa da avó? Sua textura é peculiar e delicada, e suas folhas parecem plumas minuciosamente recortadas, com detalhes em cada pedacinho.


Além da folhagem particularmente bela, também chama atenção pela sua raiz aérea, que nasce para fora, se espalha na superfície do substrato, é grossa e cheia de pelinhos brancos. Em seu habitat natural, ela cresce diretamente no solo, em ambientes sombreados. Além da francesa, a renda também é encontrada em outras variações. As mais conhecidas são a inglesa e a portuguesa. Esta última, inclusive, muitas vezes é confundida com a nossa Selvvva do Dia.

à esquerda, a renda-francesa, que tem seus ramos mais cheios e próximos um do outro; já à direita, a renda-portuguesa, com folhas mais finas e um maior espaçamento entre elas.

Rega:  recomendamos a rega com regularidade, principalmente no verão, quando pode ser diária. Vale até borrifar água em suas folhas, coisa que ela adora.  

Iluminação:  necessita de boa iluminação, mas não tolera sol direto. Por isso, locais à meia-sombra e sem corrente de vento são ideais.

Problemas comuns:  esta espécie não gosta de extremos, e sofre tanto no sol direto quanto no frio intenso – condições em que suas folhas podem amarelar e cair. É muito recomendado que ela seja podada, preferencialmente no fim do inverno, para que cresça com vigor na primavera.

Outros nomes populares:
 samambaia-francesa


Como usar:
 pode ser plantada diretamente em vasos rasos e de boca mais larga (que podem ser acomodados em nossos cachepôs cuia e cuia friso). O recorte das suas folhas se destaca quando olhado de cima, então recomendamos acomodá-la abaixo da altura do olhar.

Dica da Selvvva: As indicações acima são orientações para um primeiro contato com a sua planta, não uma fórmula definitiva. As regas variam de acordo com o ambiente, a disponibilidade de luz, a umidade do ar, a temperatura, o recipiente onde a planta está acondicionada e as demandas específicas da espécie. O importante é sempre prestar atenção às respostas da sua planta e, assim, dosar a água de acordo com as condições em que se encontra. Preste sempre atenção para não deixar o solo encharcado ou água acumulada no fundo do vaso, evitando o apodrecimento das raízes.