Encontrado na Argentina, no Brasil e em alguns pontos da Bolívia, é uma espécie de rara beleza: de seus caules pendentes serrilhados surgem pequenas flores brancas, muito perfumadas. Na natureza, costuma se fixar em troncos ou em galhos de árvores, um suporte natural que as protege do sol direto. Isso explica porque é uma planta fotossensível e prefere ambientes de meia-sombra e clima ameno.

Rega: Uma vez por semana costuma bastar, já que o solo deve ficar ligeiramente úmido, apenas. Coloque o dedo no substrato sempre que estiver em dúvida e sinta: se estiver seco, regue, um pouco a cada vez. Se regada em excesso, pode ter fungos e apodrecer. Evite molhar demais!

Iluminação: Meia-sombra.

Outro nome popular: Cacto-serrote.

Como usar: Essa espécie merece ficar em lugares altos, para que o efeito pendente possa ser totalmente apreciado! Escolha prateleiras em que você possa apoiar o vaso ou cachepô ou suportes altos.

Foto: Dani Neves

Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está condicionada e o tipo da espécie. As indicações acima devem servir para orientar um primeiro contato, mas não são uma fórmula definitiva. O ideal é prestar atenção às respostas da sua planta; assim você poderá dosar a água de acordo com as condições em que a espécie se encontra. É importante não exagerar no volume de água a cada rega! Prefira aumentar a frequência das regas ao invés de aumentar a quantidade de água.

Fotos: Dani Neves