Parte da família Bromeliaceae, este tipo de tilândsia surgiu no Equador, especificamente nas áreas de floresta tropical do país, onde costuma se acomodar no tronco de outras plantas, protegidas do sol direto. Suas folhas saem todas de um ponto comum, na base, e crescem em formato de leque, o que confere à espécie uma aparência surpreendente. Some a isso o tom da roseta, a parte central responsável por captar a água, o azul intenso de suas flores e pronto: combinação fascinante!

Rega: borrifar água até que as folhas e a roseta fiquem completamente úmidas, 2 vezes por semana. A água que escorre das folhas é suficiente para umedecer as raízes, sem o perigo de encharcá-las.

Iluminação: ambiente claro, com luz indireta.

Problemas comuns: folhas arqueadas podem indicar desidratação; se ficaram pálidas, pode ser excesso de água.

Outros nomes populares: tilândsia; pena de rosa, pink quill.

Como usar: vasos e cachepôs pequenos e médios, dispostos em alturas intermediárias – assim você pode observar o formato e a cor das folhas e das flores.

Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está condicionada e o tipo da espécie. As indicações acima devem servir para orientar um primeiro contato, mas não são uma fórmula definitiva. O ideal é prestar atenção às respostas da sua planta; assim você poderá dosar a água de acordo com as condições em que a espécie se encontra. É importante não exagerar no volume de água a cada rega! Prefira aumentar a frequência das regas ao invés de aumentar a quantidade de água.