Essa selvvva do dia pinta de roxo as ruas da cidade. Facilmente encontrada na natureza, ela desperta nos cantinhos inesperados e pede pouco em troca do seu colorido. Bastam algumas horas de sol para crescer cheia de vida e emprestar o seu volume ao desenho das paisagens.

Resistente às condições menos favoráveis, como as baixas temperaturas dos dias frios, essa guerreira tem fome de descobrir novos espaços: um galhinho é suficiente para se multiplicar num piscar de olhos, sob o sol pleno ou meia-sombra.

Como planta pendente descendo sua cabeleira ou formando um tapete colorido aos pés de espécies maiores, a trapoeraba-roxa vai bem na selvvva dos mais experientes ou daqueles que acabam de despertar para o verde.

Rega: 2x por semana, sob sol pleno, ou 1x por semana, à meia-sombra. Mantenha o solo sempre drenado. Plantar a sua trapoeraba em uma mistura de terra e areia pode te ajudar nessa tarefa. Confira nosso guia especial sobre rega.

Iluminação: sol pleno ou meia-sombra. Confira nosso guia especial sobre luz.

Outros nomes populares: trapoeraba, coração-roxo.

Problemas comuns: Poucas coisas conseguem derrubar essa guerreira. A falta de iluminação é uma delas.

Se o roxo das folhas está desbotando e ganhando um tom verde, leve a sua planta para o sol. A exposição durante cerca de 2h ao dia costuma ser suficiente para manter o pigmento da folhagem e evitar que a trapoeraba acabe debilitada ao estiolar em busca de luz.

Folhas enrugadas podem ser sinal de falta de água. Verifique terra e regue se for necessário.

A presença de pequenas teias entre as folhas e caules pode demonstrar a visita de ácaros. Para manter a sua planta protegida, aplique óleo de neem regularmente. Se os invasores já estão morando no seu verde, cuide dele com um pouco de inseticida.

Mantenha também a adubação em dia para que a sua planta possa presentear você com as pequenas flores cor-de-rosa.

Como usar: como forração para criar desenhos nos canteiros; aos pés de plantas maiores, de caule único, como ficus lyrata, ou descendo sua cabeleira pelos cachepôs pendentes.

Dica da Selvvva:Os cuidados variam de acordo com o ambiente, a espécie, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura e recipiente onde a planta está acondicionada. As indicações acima devem servir para orientar um primeiro contato, não são uma fórmula definitiva. Fique sempre atento às respostas da sua planta.