Com folhas brilhantes, grossas, de verde escuro intenso e galhos alongados, a nossa Selvvva do Dia até parece de plástico. Original do continente africano, a zamioculca curiosamente consegue sobreviver muito bem em condições pouco favoráveis, com água e luminosidade escassas, onde outras espécies dificilmente resistiriam. Por exigir poucas regas, ambientes menos iluminados e trocas de vaso bem espaçadas (cerca de 2 ou 3 anos), é sucesso para quem quer começar a se envolver no mundo das plantas. Além disso, multiplica-se por sementes, divisão de touceiras, rizomas e estaquia das folhas, o que faz dela uma ótima opção para quem gosta de dar mudinhas de presente.

Rega: em geral, a rega uma vez por semana é suficiente. Por possuir uma raiz suculenta, semelhante a uma batata, consegue armazenar bastante água e, consequentemente, suportar bem os períodos secos.

Iluminação: gosta de meia-sombra ou luz difusa e não tolera sol direto. Assim como a peperômia, a zamioculca se adapta bem em ambientes pouco iluminados. Se cultivada em lugares quentes, pode receber o sol ameno do início da manhã. Quando em locais frios, a luz do fim da tarde também vale.

Outros nomes populares:seu nome popular é uma variação de seu nome científico.

Problemas comuns: se regada em demasia, sua raiz pode apodrecer, o que faz com que a planta amarele e aborte suas folhas. Prefira pecar pela falta e não pelo excesso de água.

Como usar: por ser uma espécie muito resistente, é ideal para aquele cantinho sombreado (como corredores e hall de entrada), desde que tenha alguma fonte de luz natural por perto. Mas, também, vai muito bem em quartos, salas e escritórios – sempre tomando cuidado com o sol direto. Experimente colocá-la em vasos médios, diretamente no chão. Apesar do crescimento lento, ganha espaço de forma vertical e, por isso, enche os olhos de quem a vê por cima ou de frente.

Dica da Selvvva: As indicações acima são orientações para um primeiro contato com a sua planta, não uma fórmula definitiva. As regas variam de acordo com o ambiente, a disponibilidade de luz, a umidade do ar, a temperatura, o recipiente onde a planta está acondicionada e as demandas específicas da espécie. O importante é sempre prestar atenção às respostas da sua planta e, assim, dosar a água de acordo com as condições em que se encontra. Preste sempre atenção para não deixar o solo encharcado ou água acumulada no fundo do vaso, evitando o apodrecimento das raízes.