Como as plantas transformam você: Alexandra Solino

Estar na companhia das plantas é transformação. A luz quentinha que entra pela janela ganha novos olhares, cada planta carrega memórias afetivas, os brotos nascem cheios de significados, as despedidas se tornam parte do ciclo.

Algumas histórias de quem vive essas experiências diárias estão no nosso instagram. A da Alexandra Solino, do perfil @floresta.real, é nossa matéria da semana.

VIDA

O broto inesperado, a flor exuberante.

Na casa da Alexandra cada presente da natureza é comemorado, mas nem sempre as pequenas alegrias estiveram por lá.

Há 8 anos a depressão e a síndrome do pânico trouxeram o silêncio, o isolamento e a falta de esperança.

Nas pequenas plantas dadas pela filha Hanna veio o despertar. Aos poucos ela apostou no verde como uma terapia ocupacional para a mãe.

Uma, duas, dez mudas. Três anos depois, a Alexandra já criou uma floresta. O refúgio onde a vida voltou a brotar, onde as medicações têm diminuído devagar, onde cada pequena recompensa das plantas faz tudo valer à pena.

ACONCHEGO DAS PESSOAS

Foi nos pequenos passeios nas floriculturas que a Alexandra se sentiu segura de novo para sair de casa. Cada ida era um encontro com ela mesma, um reencontro com o outro.

As dicas de cuidados com as plantas vinham carregadas de afeto: os três filhos descobriram em cada espécie uma demonstração de carinho para a mãe e os vizinhos começaram a aparecer com mudinhas na porta.

E a vontade da Alexandra de contagiar o outros com o bem que o verde faz se transformou em um perfil no Instagram, o @floresta.real.

A floresta em Bacabal, no Maranhão,  trouxe para perto o aconchego de pessoas de todo o Brasil, numa troca que alimenta a alma.

Tudo como ensina a companhia da natureza, devagar, no seu próprio tempo.