Aproveite esta semana a nossa Black Friday

Selvvva do dia: manjericão / Ocimum basilicum

Perfumada e cheia de sabor. O aroma intenso, uma estratégia da nossa selvvva do dia para atrair os polinizadores e garantir a continuidade da espécie, fez dela uma das ervas mais populares na culinária.

Contar com um pé de manjericão em casa deixa você aproveitar todo o frescor de um tempero colhido na hora e não exige muito espaço para cultivo. Afinal, essa planta pode chegar a no máximo 1m de altura.

Ao escolher um cantinho para ela na sua selvvva, fique de olho nas condições de iluminação. A luz direta do sol durante pelo menos 3h diárias é fundamental, mas não é o único segredo desse arbusto.

Para mantê-lo volumoso, sempre que for colher, evite arrancar as folhas. Ao perdê-las, a sua planta vai ter menos recursos para fazer a fotossíntese e pode acabar ficando mais fraca ao longo do tempo. Por isso, prefira cortar os ramos, sempre de cima para baixo, logo acima dos nós.

Podar é importante para estimular o nascimento de galhos novos, fortalecê-la e ajudá-la a viver mais, já que essa erva aromática possui um ciclo curto e costuma durar pouco menos de um ano.

Na época da floração, é comum o manjericão se dedicar à reprodução, investindo toda sua energia em uma nova geração. Sempre que os pequenos botões despertarem, corte dois dedos abaixo deles ou retire os galhos inteiros, evitando que ele fique fraco ou até mesmo acabe morrendo para dar lugar a uma nova planta.

Você pode aproveitar para fazer mudinhas: enterre alguns galhos, deixando cerca de 20cm de distância entre eles. Assim suas novas moradoras conseguem se desenvolver e não invadem o espaço uma da outra.

Rega: 2x a 3x por semana. Mantenha a terra sempre úmida, nunca encharcada. Aproveite para fazer do substrato um aliado nessa questão. Use uma mistura de terra vegetal, húmus e areia para plantá-la. Assim você garante um bom escoamento do excesso de água e oferece um substrato rico em matéria orgânica. Confira nosso guia especial sobre rega.

Iluminação: sol pleno. Se o cantinho escolhido para a sua planta receber o sol forte do meio dia, 3h diárias de exposição costumam bastar. Já se a luz da manhã, antes das 9h ou depois das 16h, predominar por aí, considere pelo menos 4h diárias. Confira nosso guia especial sobre iluminação.

Outros nomes populares: alfavaca, basílico, alfavaca-doce, erva-real.

Problemas comuns: Exigente na rega, quando está com sede essa espécie dá sinais dramáticos, protagonizados por folhas completamente murchas e caídas. Basta caprichar na hidratação para ela levantar cheia de vida. Se o seu manjericão ainda é uma mudinha e foi plantado recentemente, regue diariamente, durante duas semanas, para ele se adaptar.

Folhas amareladas podem indicar que você pesou a mão na rega e a drenagem não está funcionando bem. Também demonstram outros dois problemas comuns: a falta de nutrientes ou o excesso de adubos minerais, como nitrogênio, fósforo e potássio (NPK).

Se o seu pé de manjericão estiver alto, vazio na parte de baixo e com folhas somente nas pontas, aposte em uma poda radical e na oferta de nutrientes para fortalecê-lo.
A adubação a cada 15 dias é fundamental. Utilize sempre uma versão orgânica, para você poder consumir as folhas com tranquilidade. Por aqui usamos o Jardim bonito. Também é possível optar por adubos com micro e macronutrientes. É sempre importante verificar com o fabricante quanto tempo você deve esperar para usar as folhas após a aplicação.

Ao notar a presença de parasitas, use um pincel ou haste de algodão com um pouquinho de álcool e retire um a um, evitando possíveis infestações e o uso de inseticidas. Para manter longe invasores como pulgões, use repelentes caseiros.

Manchas escuras nas folhas dão pistas sobre a deficiência nutricional ou a intoxicação por cloro. Ao regar, prefira sempre a água filtrada ou a da chuva, que são livres dessa substância. Se o clima seco não contribuir para um pé d’água, use a da torneira, deixando-a descansar por 24h, tempo suficiente para que o cloro evapore.

Retire as folhas que estiverem caídas sobre a terra. Em condições naturais, elas entrariam em decomposição no solo da floresta, se transformando em matéria orgânica repleta de nutrientes. Já no recanto dos vasos do jardim acabam não encontrando tudo de que necessitariam para isso e podem acabar atraindo fungos.

Como usar: compondo sua mini horta dentro de casa.

Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está acondicionada e espécie. As indicações acima são orientações para um primeiro contato com a sua planta, mas não uma fórmula definitiva. Preste atenção às respostas da sua espécie; assim você poderá dosar a água de acordo com as condições da sua planta. É importante não exagerar no volume de água!