Plantas exuberantes no inverno

Na contramão da natureza. Enquanto a maioria das espécies poupam energia na estação mais fria do ano, algumas plantas encontram na baixa temperatura a condição ideal para o seu colorido.

No dia a dia, fique atento para não pesar a mão na rega nesta época em que a água demora mais para evaporar. O excesso de umidade pode colaborar para a proliferação de invasores, além do apodrecimento das raízes.

Com esse pequeno cuidado, além do carinho da adubação, você vai ver as moradoras da lista abaixo despertarem exuberantes no inverno.

Azaleia

Com tons que variam entre branco, rosa, vermelho, laranja e salmão, não tem tempo ruim para as flores delicadas, nem para o verde vibrante das folhas. É como se a azaleia se poupasse ao longo do ano para o seu grande momento, o inverno.

De origem chinesa, esse arbusto se adaptou com facilidade ao clima por aqui. Pouco exigente nos cuidados, é capaz de crescer cheio de vida nos solos pobres e ácidos. Por isso, nada de corrigir o pH, com adição de calcário, na hora de levar essa guerreira para morar na sua selvvva. 

Embora as flores durem pouco, elas são distribuídas ao longo de meses, até a chegada da primavera, quando suas cores começam a se apagar.

Conheça melhor a azaleia

Ametista

Pintando as selvvvas durante o ano todo. A ametista pede pouco em troca de suas flores delicadas, que chamam atenção com o roxo vibrante, embora também sejam encontradas em branco e lilás.

O sol ameno do inverno é o favorito dessa planta, que vai bem à meia-sombra, com rega 2x por semana, ou sob o sol pleno, de 2 a 3x por semana. Para manter esse colorido cheio de vida, fique de olho: flores caídas indicam falta de água; folhas mais velhas que ganham tons amarelados contam sobre o excesso de hidratação. Lembre-se também de manter a adubação em dia para ver os botões delicados apontando por aí. 

Ripsális-serrote e ripsális-elliptica

Essas plantas descem a cabeleira das alturas, com os caules de pontas serrilhadas e as pequenas flores perfumadas, que surgem de tempos em tempos. Pertencentes à família dos cactos, costumam se fixar nos troncos ou galhos na natureza.

Resistentes, são capazes de adaptar ao sol pleno, à meia-sombra e à luz difusa. Ambas precisam dos mesmos cuidados e são uma ótima opção para dar um toque rústico à selvvva dos mais experientes ou daqueles que estão despertando para o verde. 

Conheça melhor o ripsális-serrote 

Manacá-da-serra anão

Quem não se encantou com esse colorido por aí? Na época mais fria do ano, essa versão menor do manacá-da-serra desperta suas flores mutantes, que nascem brancas, ganham tons rosados e se despedem roxas.

Na hora de levar essa planta para morar por aí, lembre-se de oferecer um cantinho de sol pleno, que receba ao menos 2h de luz direta. Regue 2x por semana no outono e no inverno, e aumente a frequência para 3x por semana durante as estações mais quentes.