Selvvva do dia: trevo de quatro folhas / Oxalis tetraphylla

Se você olhar bem, cada uma das quatro folhas tem a forma de um coração. E cada uma delas tem ainda uma linda mancha meio roxa, meio bordô, próxima à base – um tingimento orgânico maravilhoso que contrasta com o verde e que só a natureza é capaz de produzir.

Essa é a Oxalis tetraphylla, também conhecida como trevo de quatro folhas. É uma planta delicada, que não costuma passar muito de uns 15 centímetros de altura e se espalha fácil e colorida por vasos e canteiros. 

O trevo de quatro folhas é originalmente do México. O seu habitat natural é um solo seco, praticamente arenoso, com muita luz. A facilidade que essa planta perene tem de crescer a fez prosperar pelo mundo. Hoje em dia é comum vê-la no mundo todo, como espécies selvagens não cultivadas. 

Ou seja: além de ficar ótima em vasos, a Oxalis tetraphylla vai muito também como forração mais rasteira.

De dia as folhas-coração se abrem para o sol. À noite elas se recolhem como guarda-chuvas. Observar o movimento dessa espécie aparentemente frágil mas na verdade muito forte é uma aula de vida.

As flores costumam vir em tons de rosa, também superdelicadas e resistentes. 

E a sorte? Pois é: desde os tempos bíblicos diz-se que o trevo de quatro folhas carrega com ele bons augúrios. Essa ideia ganhou mais força na Idade Média, em particular na Irlanda, entre os celtas, que popularizam a associação dessa planta com os sortudos. Mas na verdade essa história tem a ver com as plantas do gênero Trifolium, dos trevos. Como o próprio nome indica, essas plantas têm em regra três folhas (ou folíolos), mas às vezes podem surgir quatro: esse é um evento raro e por isso é relacionado à sorte…
Resumindo: a Oxalis tetraphylla não é, a rigor, um trevo, apesar de parecido com ele e de ter recebido o mesmo nome popular.

Ah, e para os pais de pets, não tenha medo: a Oxalis tetraphylla não é venenosa. Na verdade, pelo contrário, há alguns relatos de que ela é comestível, inclusive para nós humanos! Folhas e flores têm um sabor ácido que lembra o do limão.

É bem fácil plantar  a Oxalis tetraphylla a partir dos bulbos. Basta acomodá-los em solo rico – de substrato e húmus–, com cerca de 5cm entre eles, com a ponta virada para cima. É da ponta que virão os brotos, ao passo que as raízes vão se aprofundar na terra a partir da base. Os bulbos podem ser recobertos com um pouco de terra – mas não muita! Uns 3cm no máximo.

Rega:

Lembre-se, o nosso trevo de quatro folhas originalmente é de um solo seco, então não precisa encharcar a terra – especialmente na fase inicial do plantio, pois há o risco de os bulbos apodrecerem. Com as folhas já brotadas, basta manter o solo úmido – com uma rega semanal, ou duas vezes por semana, a depender do clima e da temperatura. 

Iluminação

A Oxalis tetraphylla gosta de sol direto. Mas não aquele sol de esturricar o dia inteiro: o ideal é a planta pegar um bronze de manhã e no fim do dia. Atenção: na fase inicial do plantio feito com os bulbos, é melhor evitar o sol direto. 

Outros nomes populares: cruz-de-ferro, trevo-da-sorte

Problemas comuns:

Pulgões e cochonilhas podem atacar a Oxalis tetraphylla, embora ela seja bem resiliente. Para evitar que isso aconteça, mantenha a regularidade na rega e o solo bem rico em nutrientes, com adubação de tempos em tempos.  

A Oxalis tetraphylla é perene. Então não se assuste se a planta secar e não apresentar brotos durante o inverno: ela está no período de dormência. Nesse caso, você pode reduzir a rega e aguardar. Quando vier a primavera, o trevo vai rebrotar, florescer e alegrar o ambiente. 

Dica da Selvvva: As regas variam de acordo com o ambiente, disponibilidade de luz, umidade do espaço, temperatura, recipiente onde a planta está acondicionada e espécie. As indicações acima são orientações para um primeiro contato com a sua planta, mas não uma fórmula definitiva. Preste atenção às respostas da sua espécie; assim você poderá dosar a água de acordo com as condições da sua planta. É importante não exagerar no volume de água!